• Isabella Schmitt

Porque a sua empresa deve se preocupar com as questões ambientais

E chegamos ao mês de junho, um mês que traz inúmeras pautas para serem pensadas, discutidas e que exigem um posicionamento, tanto pessoal quanto cada vez mais das empresas. Dentre essa diversidade de assuntos, essa primeira semana tem um em especial: o meio ambiente.


Você já parou para pensar que algo que faz parte da nossa história como humanidade, com o passar dos anos foi se esgotando, perdendo espaço, cuidado a ponto de hoje ser uma pauta de extrema necessidade e que precisa cada vez mais do apoio de empresas e da sociedade para que não chegue no seu limite? Afinal, sem meio ambiente de onde vem a matéria-prima base que precisamos para a nossa existência?


Nosso papo de hoje vai ser porque esse assunto é cada vez mais pautado nas empresas e em como a preocupação ambiental também é algo que deve ser elaborado e pensado no seu negócio. Vem com a gente nessa leitura ;)

 

Agora é a vez das empresas verdes


Hoje, para uma empresa ser bem vista de forma local e mundial, ela precisa abraçar e se comprometer com algumas questões sociais. Ser uma empresa verde no cenário atual vai muito além da simples separação do lixo, para ser de fato considerada uma empresa verde - e sustentável- é a sua capacidade de contribuir para um desenvolvimento social da comunidade à longo prazo. Isso inclui desde preservar o meio ambiente até as práticas adotadas na gestão empresarial como um todo.


Estamos em um momento onde a sociedade cobra essa participação do meio corporativo, se preocupar com a reciclagem, adoção de espaços públicos pelas empresas privadas já são atitudes esperadas. O consumidor moderno está querendo comprar e fazer parte de negócios que fazem mais. Seja acabando com os testes em animais, zerando a emissão de gases, sendo ativos no reflorestamento de regiões desmatadas e por aí vai.


Mas não basta apenas querer embarcar neste novo cenário, o negócio como um todo precisa estar alinhado. É necessário ter um modelo de negócio que se sustente a longo prazo no meio econômico, social e ambiental pensando nas gerações futuras também. Por isso a sigla ESG está cada vez mais presente no universo empresarial.


Mas o que é ESG?


A sigla que vem do inglês Environmental, Social and Governance, significa em português Ambiental, Social e Governança (ASG), vem se tornando cada vez mais popular e rotineira no universo dos negócios e financeiro. Essas três palavras fazem referência aos principais fatores que medem o índice de sustentabilidade e impacto social de uma empresa.


O ESG atua como um selo de qualidade, através do resultado dessa análise ambiental, social e governamental é possível visualizar como ela se posiciona com relação à sociedade e ao planeta.


Segundo um estudo feito pela Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP), mostra que entre 10% a 15% das empresas realmente entenderam a importância de aderirem a esse processo e as boas práticas dos três eixos citados.


O crescimento das empresas sustentáveis


Segundo uma pesquisa feita pela Union + Webster através da agência Fiep, em 2019, 87% dos brasileiros preferem comprar produtos e serviços de empresas sustentáveis. Já 70% afirma não se importar por pagar a mais por um produto/serviço comercializado por uma empresa com ações sustentáveis.


No cenário mundial, a estimativa é que essas empresas sustentáveis movimentam mais de US$ 4,5 trilhões de dólares até 2030, segundo o relatório da Comissão Global para Empresas e Desenvolvimento Sustentável do Fórum Econômico Mundial.


Em 2020, o Brasil foi o único país da América Latina a ter empresas no ranking das 100 empresas mais sustentáveis do mundo de 2020. Esse ranking foi feito pela Corporate Knights e promovido pelo Fórum Econômico Mundial.


Por que ser uma fintech verde?


Se o cenário das empresas mais tradicionais está se voltando e reformulando para atenderem essas novas necessidades. Quando pensamos em fintechs isso se torna ainda mais necessário, afinal já são empresas que nasceram com uma proposta disruptiva do mundo corporativo tradicional e que vem com uma força para atender as necessidades da sociedade com maior agilidade, praticidade e segurança.


Os chamados títulos verdes são investimentos de impacto, isso quer dizer que na hora de escolher onde será feito um aporte/investimento as empresas que possuem modelos de negócios sustentáveis se tornam mais valorizadas.


No Brasil esse movimento das fintechs para se adequarem e pertencerem ao grupo de fintechs verdes, mas já existem muitos exemplos de fintechs que estão engajadas no reflorestamento de reservas. O importante é que o movimento cada vez mais saia do papel e se torne uma ação de fato.


Como já falamos, siglas como ESG e o Sistema B cada vez se tornam objetivos a serem conquistados, justamente por cada vez mais serem valorizados nas rodadas de investimentos. Outro ponto que dá uma vantagem para as fintechs é são as suas propostas inovadoras e a capacidade de incluir essas práticas desde o início, sendo algo estrutural e parte do negócio.


O sistema B


O sistema B é um movimento global que tem como dois objetivos:

  1. redefinir o conceito de sucesso nos negócios;

  2. identificar empresas que utilizam seu poder de mercado para solucionar algum tema social e ambiental.

O Sistema B foi criado nos Estados Unidos em 2002, mas a iniciativa só chegou ao Brasil em 2014. Esse sistema apoia e certifica empresas orientadas pelos princípios ESG, contribuindo para uma construção capitalista mais consciente.


Hoje cerca de 161 empresas fazem parte do Sistema B no Brasil, abrangendo os mais diversos segmentos e áreas de atuação. No mundo, o número total de empresas pertencentes ao sistema é entre 2,500 a 3 mil. Para isso, é necessário passar por uma auditoria e atingir a pontuação segundo os critérios como: uso de água reutilizável, energia solar, presença de mulheres e negros no conselho e diretoria, entre outros.


Para saber mais sobre o movimento e as empresas que fazem parte dele, basta acessar o site Sistema B Brasil.


Para ter como referência


No Brasil cada vez mais as empresas vêm fazendo esse processo de adaptação sustentável, sendo uma tendência cada vez maior, mesmo em um contexto de administração governamental onde não recebam tanto incentivo para isso.


No top 5 de empresas mais sustentáveis no nosso país, citadas em rankings no ano de 2020, podemos destacar:


1 - Natura Cosméticos

2 - Unilever

3 - Nestlé

4 - Samsung

5 - Banco do Brasil (já foi citado em rankings mundiais de empresas mais sustentáveis do mundo).


Mas não precisa ser uma mega empresa para conseguir gerar um impacto positivo no mundo e na sociedade, o Sebrae escreveu um artigo em 2017, que teve algumas atualizações em 2019, trazendo justamente exemplos de empresas menores, mas que buscam fazer a diferença desde o início.


E ai, o que sua empresa vem fazendo para fazer do mundo um lugar melhor? Pense, reflita e vá tirando do papel aos poucos essas novas atitudes.


O importante é começar, mesmo que um pouco de cada vez!